Este curso visa preconizar técnicos superiores de educação, como professores e educadores de infância, bem como pais e outros, sobre os problemas mais comuns no desenvolvimento das crianças e adolescentes.  Ao mesmo tempo que abrange sintomas e comportamentos observáveis, presentes nessas perturbações, também indica possíveis estratégias e tratamentos disponíveis, utilizados para diminuir o impacto no funcionamento geral da criança. Tudo isto ajudará a adaptação do ambiente à criança e irá permitir que esta tenha um melhor aproveitamento nas mais diversas áreas. Irão ser abordadas as Perturbações da Ansiedade, Perturbação de Hiperatividade e Défice de atenção e Sobredotação.

Nas últimas décadas, a agricultura intensiva introduziu elevadas quantidades de pesticidas, adubos, hormonas e outros produtos químicos de síntese, alterou os ecossistemas, prejudicou a fertilidade dos solos e a qualidade da cadeia alimentar. Abandonaram-se práticas como a fertilização orgânica dos solos com estrumes, o cultivo de variedades agrícolas e hortícolas tradicionais, a utilização das raças autóctones e o maneio animal ao ar livre, reconhecendo-se, atualmente, que as práticas agrícolas que se utilizam não são sustentáveis. A sustentabilidade da agricultura requer a salvaguarda do ambiente e da paisagem e, por isso, deve ser remunerada também por esse serviço. A Agricultura Biológica é uma das formas de atuar de forma construtiva e equilibrada nos sistemas agrícolas, inseridos nos sistemas naturais, melhorando a fertilidade dos solos, promovendo o correto uso da água e preservando a biodiversidade, para além de produzir alimentos de elevada qualidade. Em 1972 foi fundada a Federação Internacional de Movimentos de Agricultura Biológica (IFOAM), atualmente com sede na Alemanha. Em Portugal, a Associação Portuguesa de Agricultura Biológica (AGROBIO) surgiu em 1985 e em 1991 a Comunidade Europeia publicou o regulamento (CE) nº 2092/91, definindo as normas do modo de produção biológico, incluindo o controlo e a rotulagem dos produtos vegetais. Em 1999, o modo de produção biológico animal foi contemplado no regulamento CE nº 1804/99. Segundo a IFOAM, a agricultura biológica engloba todos os sistemas que promovem a produção de alimentos e fibras sãos sob um ponto de vista ambiental, social e económico. Estes sistemas baseiam-se na fertilidade do solo a nível local como chave para uma produção de sucesso. Ao respeitar a capacidade natural das plantas, animais e paisagem, visa otimizar a qualidade em todos os aspectos da agricultura e do ambiente. A agricultura biológica reduz substancialmente a utilização de fatores de produção externos à exploração, através da não utilização de fertilizantes e pesticidas químicos de síntese e de produtos farmacêuticos. É nesta perspectiva a Tecnisign deseja incentivar a agricultura no modo de produção biológico, de modo a preservar os ecossistemas e a beleza paisagística do território Português, através desta Formação Inicial em Agricultura Biológica.


A Avaliação Ambiental Estratégica consiste num instrumento de política ambiental que visa a garantir a qualidade, proteção e valorização do ambiente promovendo assim, a sustentabilidade. Esta gestão ambiental vai contribuir para a deteção de problemas ambientais antes mesmo da implementação do plano. Neste sentido, os planos e os programas, ainda em fase de elaboração, são alvo de uma avaliação com diferentes variáveis para que no final o impacte no ambiente seja o mínimo possível. Os resultados esperados serão: a sustentabilidade; os interesses defendidos por diferentes agentes de forma democrática (através das discussão pública) e a expectativa de que o território continuará a ser visto como uma identidade local.